Quatrocantos.com
Recife Rock!

Pesquisa em Quatrocantos.com


Lendas e folclore da Internet. As pulhas virtuais

Desvendando lendas, hoaxes e mitos da Internet desde 1999. Lendas urbanas, pulhas virtuais, boatos, desinformação, teorias conspiratórias, mentiras, vírus, cavalos de tróia, golpes e muitas outras coisas que vagam pela Internet.

Índice alfabético
Índice cronológico

Avise amigo/a:
283

Mais lendas

Identificação de pulhas
Lendas urbanas -1
Pulhas virtuais -1
Vírus de e-mail

Anedotas
Animais
Astros
Auto-ajuda
BBB com vírus
Cartas da Nigéria
Cavalos de tróia

Desastres
Dia Nacional
Drogas
Empresas
Falsos prêmios
Falsos vírus
Filhotes
Fotos & vídeos

Golpes
Golpe do emprego
(job scam)
Golpe do namoro
(romance scam)
Lendas & empresas
Lendas urbanas
Loterias fajutas

Marketing viral
Meias-verdades
Microondas
Nostradamus

Pequenos golpes, grandes pilantras
Política & desinformação
Pulhas virtuais
Receita Federal
Reenvio
Religiões

Saúde
Sobrenatural
Telefone celular
Teorias conspiratórias
Trojans & golpes
Verdades
Vídeos & fotos


Desinformação.
Voto nulo anula eleição?
O falso poder do voto nulo.

Voto nulo anula eleição?

Tempo de eleição também é tempo de enganação. Em todos os sentidos.

Mensagem que sempre circula às vésperas das eleições, desde 2004, faz apologia do voto nulo e contém inverdades. Ela tem origem desconhecida, ninguém se responsabiliza pelo seu conteúdo e sua disseminação se faz rapidamente nos meses que antecedem eleições.

Versão de 2004 mistura inconformismo com contestação, tubarão com galinha e propõe a candidatura de golfinho.

A versão de 2006 segue linha semelhante.

O fato é que a urna eletrônica não possui a alternativa "Voto nulo". O voto é considerado nulo se o eleitor informar um número inválido. Mas o eleitor pode votar em branco: é só pressionar essa tecla.

Para anular o voto, o eleitor tem de digitar um número inválido e, depois que a máquina informar "Número incorreto, corrija seu voto", ele deve confirmar o número incorreto, isto é, o voto nulo.

Era bem mais fácil tornar o voto nulo nos tempos em que se usavam cédulas. Bastava escrever uns palavrões, xingar a genitora de um ou de todos os candidatos, mandar os candidatos para um lugar impróprio ou próprio para todos eles e pronto: o voto era decretado nulo pelo juiz eleitoral.

A coisa ficou mais complicada com a chegada das urnas eletrônicas. Falta ao teclado delas, por exemplo, a opção "Vá à m&#d@" como sugeriu Millôr Fernandes. Esse é um dos males da tecnologia :(

Veja o teclado da urna eletrônica.

Telado da urna eletrônica

A diferença entre voto nulo e voto em branco não é muito significativa. Nenhum deles é capaz de anular eleição e sua distinção é uma filigrana jurídica.

Há quem afirme que o voto em branco legitima o sistema político-partidário enquanto que o voto nulo significa votar contra todos.

Trata-se de conceitos duvidosos.

Para ter sua validação confirmada, eles teriam de ser confrontados com o ponto de vista dos eleitores e saber de cada um deles se é isso mesmo: se ele votou em branco reconhecendo que isso legitima o sistema político-partidário, se houve outro motivo e qual o motivo de tal decisão.

A mesma coisa para os eleitores que fazem a opção pelo voto nulo.

A propósito: será que todos os eleitores sabem exatamente o que significa a expressão "legitimar o sistema político-partidário"? Quem construiu essa frase é capaz de explicar o seu significado de modo que todos os eleitores sejam capazes de entender e diferenciá-lo da alternativa "voto nulo"?

Como a grande maioria dos eleitores não considera esses detalhes jurídicos e uma parcela significativa deles é analfabeta essas exegeses (!) ficam restritas a pequenos círculos de ociosos especialistas.

A confusão é aumentada pelo noticiário e por conta de algumas explicações inexplicáveis, sendo que a do TSE é uma verdadeira pérola. Veja o que diz o saite do TSE em sua página de FAQ (frequently asked questions ou perguntas mais frequentes, in english, of course :)

...
16. Se 50% dos votos forem brancos ou nulos, faz-se nova eleição?

O Código Eleitoral prevê que se mais da metade dos votos for de votos nulos, será convocada nova eleição ("Art. 224. Se a nulidade atingir a mais de metade dos votos do País nas eleições presidenciais, do Estado nas eleições federais e estaduais, ou do Município nas eleições municipais, julgar-se-ão prejudicadas as demais votações, e o Tribunal marcará dia para nova eleição dentro do prazo de 20 (vinte) a 40 (quarenta) dias”).

Os votos em branco, de forma diversa, não anulam o pleito, pois não são considerados como nulos para efeito do art. 224 do Código Eleitoral (Acórdão nº 7.543, de 03/05/1983).

(Essa pérola foi removida. Melhor assim. Não é sem motivo que Alice, uma de nossas colaboradoras, nos diz: "...na época desse debate com meus amigos, cheguei a escrever para o TSE em busca de mais informações. A resposta deles foi tão confusa que desisti de enviar para meus amigos")

O que se depreende dessa explicação meio torta é que se houver mais da metade de votos nulos haverá novas eleições. Também é o que diz a mensagem e isso não é verdade, pois ela mistura dois conceitos diferentes: VOTO NULO e NULIDADE DA VOTAÇÃO.

A mesma coisa aparece na página do TRE de São Paulo:

Voto branco e voto nulo

Os votos brancos e nulos são subtraídos de todos os cálculos para a totalização dos resultados. Desde a Lei 9.504/97, que vigorou a partir das eleições de 1998, que o voto branco não é considerado para o cálculo do quociente eleitoral.

A única diferença entre os votos brancos e nulos é que, segundo a legislação se houver mais de 50% de votos nulos a eleição será anulada.

 

Afinal de contas, qual a diferença entre VOTO NULO e NULIDADE DA VOTAÇÃO?

Elementar, meu caro Watson. Uma coisa é o voto nulo, o voto atribuído a candidato inexistente. Outra coisa é a nulidade da votação, a nulidade da eleição ou a nulidade do processo eleitoral.

Votos nulos não anulam eleições. O que anula uma eleição é uma das ocorrências mencionadas nos artigos 220 a 222 da LEI Nº 4.737, de 15 de julho de 1965 que Institui o Código Eleitoral:

Capítulo VI

Das nulidades da votação

...

Art. 220. É nula a votação:

I - quando feita perante mesa não nomeada pelo juiz eleitoral, ou constituída com ofensa à letra da lei;

II - quando efetuada em folhas de votação falsas;

III - quando realizada em dia, hora, ou local diferentes do designado ou encerrada antes das 17 horas;

IV - quando preterida formalidade essencial do sigilo dos sufrágios.

V - quando a seção eleitoral tiver sido localizada com infração do disposto nos §§ 4º e 5º do art. 135. (Incluído pela Lei nº 4.961, de 4.5.1966)

Art. 221. É anulável a votação:
I - quando houver extravio de documento reputado essencial; (Inciso II renumerado pela Lei nº 4.961, de 4.5.1966)

II - quando for negado ou sofrer restrição o direito de fiscalizar, e o fato constar da ata ou de protesto interposto, por escrito, no momento: (Inciso III renumerado pela Lei nº 4.961, de 4.5.1966)

III - quando votar, sem as cautelas do Art. 147, § 2º. (Inciso IV renumerado pela Lei nº 4.961, de 4.5.1966)

a) eleitor excluído por sentença não cumprida por ocasião da remessa das folhas individuais de votação à mesa, desde que haja oportuna reclamação de partido;

b) eleitor de outra seção, salvo a hipótese do Art. 145;

c) alguém com falsa identidade em lugar do eleitor chamado.

Art. 222. É também anulável a votação, quando viciada de falsidade, fraude, coação, uso de meios de que trata o Art. 237, ou emprego de processo de propaganda ou captação de sufrágios vedado por lei."

...

Art. 224. Se a nulidade atingir a mais de metade dos votos do país nas eleições presidenciais, do Estado nas eleições federais e estaduais ou do município nas eleições municipais, julgar-se-ão prejudicadas as demais votações e o Tribunal do prazo de 20 (vinte) a 40 (quarenta) dias.

Esses artigos referem-se aos casos de votação anulável ou situações que provocam a nulidade do processo eleitoral e não a casos de voto nulo. A nulidade diz respeito a urnas, conjunto de urnas, seção eleitoral.

O voto nulo é decisão pessoal do eleitor. A nulidade da votação é decisão do juízo eleitoral.

Portanto, uma eleição ou votação é anulável apenas nas circunstâncias descritas nos artigos 220, 221 e 222 da Lei Nº 4.737.

Veja agora o que diz a LEI Nº 9.504 de 30 de setembro de 1997:

...
Art. 2º Será considerado eleito o candidato a Presidente ou a Governador que obtiver a maioria absoluta de votos, não computados os em branco e os nulos.

§ 1º Se nenhum candidato alcançar maioria absoluta na primeira votação, far-se-á nova eleição no último domingo de outubro, concorrendo os dois candidatos mais votados, e considerando-se eleito o que obtiver a maioria dos votos válidos.

§ 2º Se, antes de realizado o segundo turno, ocorrer morte, desistência ou impedimento legal de candidato, convocar-se-á, dentre os remanescentes, o de maior votação.

§ 3º Se, na hipótese dos parágrafos anteriores, remanescer em segundo lugar mais de um candidato com a mesma votação, qualificar-se-á o mais idoso.
...

Art. 3º Será considerado eleito Prefeito o candidato que obtiver a maioria dos votos, não computados os em branco e os nulos.
...

§ 2º Nos Municípios com mais de duzentos mil eleitores, aplicar-se-ão as regras estabelecidas nos §§ 1º a 3º do artigo anterior ...

Mais uma vez fica bastante claro que votos brancos e votos nulos não servem para anular eleições. Em todos os casos de eleições majoritárias elegem-se os candidatos que obtiverem a maioria dos votos válidos "...não computados os em branco e os nulos."

É o que estabelece a legislação vigente.

Imagine uma situação inusitada: se 10 eleitores votarem para prefeito, se houver dois candidatos e se a eleição resultar em:

candidato A: 2 votos,

candidato B: 1 voto,

votos brancos e nulos: 7 votos

será proclamado eleito o candidato A. Tudo de acordo com as leis vigentes do país.

Não existe a possibilidade mencionada na mensagem: Se nenhum dos candidatos conseguir maioria (mais de 50%) no último turno, as eleições têm que ser canceladas!

E mais: inexistem as possibilidades de

Voto nulo trocar os candidatos, pois eles se tornariam inelegíveis, e

Voto nulo a realização de novas eleições.

Veja o que o TSE diz ser voto nulo e o que ele considera voto em branco.

O que ocorre nisso tudo é a interpretação isolada do Art. 224 da LEI Nº 4.737. Esse artigo deve ser interpretado em conjunto com os artigos 220, 221 e 222 pertencentes ao capítulo que trata das nulidades da votação e não isoladamente como faz o próprio TSE em sua página com a 'explicação inexplicável' e que induz ao erro.

(Uma das versões da mensagem de 2006 menciona o Superior Tribunal Eleitoral quando na verdade o que existe é o Tribunal Superior Eleitoral - TSE conforme estabelece o Art. 118 da Constituição Federal.)

Se uma, duas ou várias das situações mencionadas nos artigos 220 a 223 da Lei 4.737 provocarem nulidade de uma votação para cargo majoritário e se essa nulidade for de tal monta que supere os 50% por cento dos votos, aí sim, o juízo eleitoral deverá convocar novas eleições.

Tentando buscar credibilidade, a mensagem manda o incauto internauta ligar para OAB... Aproveite e ligue também para a Folha de São Paulo, O Estado de São Paulo, O Globo, O Diário Catarinense, O Estado do Paraná, A Gazeta do Povo... e todas as revistas e jornais importantes desse país... pois todos eles confirmariam a suposta anulação. É improvável que algum deles dê respaldo a essa história.

Algumas notícias publicadas na imprensa contribuem para aumentar a confusão. Veja o que diz a página Terra - notícias datada de 05 de junho de 2006:

TSE impede que vereador assuma prefeitura no RJ
...

A decisão definia que o presidente da Câmara Municipal, vereador Mauro Modesto Britto (PFL), ocuparia o cargo de prefeito, interinamente, até que o juiz eleitoral determinasse a realização de novas eleições, uma vez que a soma dos votos nulos com os 42,02% de sufrágios dados ao prefeito afastado (agora também anulados) é maior que 50%, conforme determina o artigo 224 do Código Eleitoral.

Terra Notícias outra vez:

Terça, 23 de novembro de 2004, 10h02
Votos nulos obrigam eleição domingo em 4 cidades
...

O procedimento é necessário porque o número de votos nulos no primeiro turno da eleição municipal, realizada no dia 3 de outubro, superou em mais de 50% o número de votos válidos, depois de julgados...

[...]

Vários candidatos eleitos que tiveram seus votos computados como nulos (por estarem com seus registros de candidatura indeferidos) continuam aguardando a decisão da Justiça Eleitoral.

Como os registros das candidaturas não haviam sido deferidos, as eleições foram anuladas.

E o Guia Mauá:

Eleições 2004
BOCAINA DE MINAS VOLTARÁ AS URNAS
...
Com mais de 50% dos votos anulados, a cidade de Bocaina de Minas ... terá de voltar às urnas para escolher seu novo prefeito.

Os 1765 votos dados a Dito Augusto (PDT) foram considerados nulos, já que sua candidatura foi questionada no TRE-MG.

No caso de Bocaina fica bem claro que a anulação ocorreu em virtude de o candidato mais votado ter a candidatura questionada pelo TRE-MG e não porque mais de 50% dos eleitores optaram pelo voto nulo.

Alguns aspectos ou intenções da mensagem são interessantes, pois não há dúvida de que é preciso alijar da cena política brasileira mensaleiros, marotos e marotinhos de plantão. Uma das alternativas apresentada para mudar o quadro seria não votar em branco nem anular o voto, mas votar nos "menos piores".

O autor da mensagem, na verdade os autores, pois existem várias versões, não reconhecem a existência dos "menos piores": todos são farinha do mesmo saco, todos calçam 40 e coisas que tais.

Existem políticos sérios, políticos honestos, políticos de idoneidade acima de suspeitas, mas a impressão que se tem é que a maioria deles se serve do cargo para proveito próprio e dos seus patrocinadores. Parece que apenas uma pequena parte deles usa o cargo para servir ao país e há quem "sirva o país" :)

Os escândalos que resultaram na cassação do senador Demóstenes Torres (DEM-GO), na renúncia de Severino Cavalcanti (PP-PE), então na presidência da Câmara dos Deputados contribuem para a desconfiança em todos os políticos brasileiros.

Quanto a decisões e interpretações do TSE vale a pena conhecer as preocupações apresentadas no blog do Claudio Weber Abramo (08-06-2006):

O fim dos tempos  

O recuo do Tribunal Superior Eleitoral na decisão da verticalização, noticiado hoje, marca talvez o ponto mais baixo de um período em que as decisões das cortes superiores se notabilizaram pela suspeição.

Pessoalmente, não sei se a decisão revertida (impedir que partidos que não participem de coligações nacionais se aliem à vontade nos estados) tinha a melhor sustentação jurídica. Mas sei que, se num dia um tribunal decide algo por 6 a 1 e no dia seguinte volta atrás por 7 a 0, algo de muito esquisito anda governando as considerações judicantes.

O Judiciário é onde os conflitos da sociedade se resolvem. Se esse poder age como barata-tonta, hoje decidindo algo para amanhã se desdizer, tudo isso eivado daquele linguajar intolerável dos "juristas" (advogado alfabetizado de verdade não fala daquele jeito), qual segurança alguém pode ter em qualquer decisão surgida daquelas cabeças?

... mais > >

Veja também o artigo de Mailson da Nóbrega TSE: a mensagem que deseduca: (Página não disponível em setembro de 2010.)

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) está deseducando o público na mensagem para orientar o eleitor na escolha do candidato a governador. “O governador é um dos mais importantes servidores do Estado. Ele escolhe a equipe de governo, define o rumo das políticas públicas, e decide como e onde gastar o dinheiro dos impostos”. As duas últimas afirmações são um completo equívoco, pois descrevem atribuições do Poder Legislativo.

E pra finalizar: a mensagem é mentirosa e induz o eleitor a erro.

É verdade que os corruptos, de todos os partidos, legendas e coligações, os partidos de aluguel devem ser afastados da cena política brasileira. Votar em branco ou anular o voto nada ajuda na realização das mudanças necessárias.

A propósito: você ainda se lembra em quem votou pra deputado federal, deputado estadual, senador e vereador? Nas próximas eleições, anote o nome de cada um deles; veja como eles se comportam ao longo do mandato; veja se eles se envolvem em maracutaias e se eles integram a turma de negociadores de votos, coisas que sempre existiram, todos sabem disso, mas eram exclusividade de quem se encontrava no poder até 31 de dezembro de 2001.

Use a Internet para conversar com eles, mande mensagens e veja qual a atenção que deles recebe. Se ele não der atenção ao eleitor, ao cidadão que ele representa, qual a consideração que deve merece do eleitor?

Mais sobre eleições, voto nulo e voto em branco.

2004 - Voto de Cabresto Pós-Moderno

ALERTA CONTRA A INSEGURANÇA
DO SISTEMA ELEITORAL INFORMATIZADO


Aprenda a usar a urna eletrônica

Campanha pelo Voto Nulo

CHAMADO PARA A CAMPANHA PELO VOTO NULO

CONTINUAM OS REGISTROS DE FRAUDES NAS URNAS ELETRÔNICAS

FRAUDE POSSIVEL. Urnas Eletrônicas colocam em risco a democracia do País. Um país do Zerézimo Mundo.

LEI Nº 4.737, DE 15 DE JULHO DE 1965. Institui o Código Eleitoral.

LEI Nº 9.504, DE 30 DE SETEMBRO DE 1997

O voto nulo anula o eleitor ou o político? E o voto obrigatório, anula quem?

Resgate moral

Se a Urna Não Imprimir, Seu Voto Pode Sumir!

Segurança da urna eletrônica

Urna eletrônica: você confia?

Voto nulo é só protesto

Votos Nulos: A Confusão Continua

Os leitores comentam.

Mensagens e versões:

Voto nulo 08 de julho de 2012
Voto nulo 10 de setembro de 2010
Voto nulo 29 de junho de 2010 5
Voto nulo 02 de junho de 2006
Voto nulo 22 de março de 2006
Voto nulo 14 de setembro de 2004
Voto nulo 06 de setembro de 2004

Em agosto de 2006, circulou mensagem com dados sobre suposta pesquisa realizada ninguém sabe quando, onde, nem quem a fez. Tal pesquisa, inexistente e jamais realizada, teria constatado que 52% dos eleitores optariam pelo voto nulo ou em branco. Ainda que existente, o resultado de 2% a mais não é muito significativo e estaria dentro de margem de erro. Ou seja, metade dos eleitores não optaria pelo voto em branco ou nulo.

>>

IRPF 2006
A lenda da cuz da Honda Titan 150

 



Mais política, mentiras, desinformação e contra-informação

- Ativistas políticos falsificam texto da revista France Football sobre a Copa Mundial de Futebol no Brasil - 2014
- A nova mansão da presidente Dilma Roussef em Porto Alegre. A casa da aposentadoria
- Jornalista José Guimarães dos Santos Silva detona PT e amigos. Ex-petista vomita os podres do Lula
- Chris Mathews, comunista, socialista e ateu entrevista o cardeal Jorge Mario Bergoglio, futuro Papa Francisco. A entrevista que nunca existiu
- Lulinha da Silva compra Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, a ESALQ, da USP
- Texto atribuído a padre Umberto não foi escrito pelo verdadeiro, o padre Humberto Luiz de Negreiros
- Senado aprova pagamento de bolsa mensal de R$ 2.000,00 para garotas de programa
- Kirrarinha, vereador do DEM em Pontes de Lacerda - MT, agride repórter Márcia Pache e vira vereador do PT
- Brasília ganhará estátua gigante de Lula, do tamanho do Cristo Redentor?
- Bolívia expulsa Coca-Cola e decreta falência da McDonald´s no país?
- Lula possui fortuna pessoal de R$ 2 bilhões de dólares?
- Frase Lula seja louvado substitui Deus seja louvado nas cédulas de Real?
- Manifesto emenda constitucional 2012
- Ato de repulsa. Curiosidades de um país de loucos
- Votação do projeto de lei ficha limpa: um minuto de silêncio em sinal de protesto
- Jornal búlgaro Dnevnik diz que Dilma Roussef nasceu na Bulgária
- Profecia da vidente Neila Alckmin sobre Dilma Roussef
- Verônica Maldonado afirma ser amante de Dilma Roussef
- Dilma poderá ter candidatura cassada
- Leis contra igrejas e evangélicos: desinformação e terrorismo midiático
- Estupro de Ingrid Betancourt é gravado pelas FARC
- Michel Temer é satanista?
- Dilma Roussef condenada nos Estados Unidos?
- Servidores à disposição de ex-presidentes da república
- As previsões catastróficas do Dr. James P. Wickstrom
- Carta de Otacílio Guimarães ao presidente Lula da Silva
- Protesto em Miami contra o Brasil
- O experimento socialista de Adrian Rogers
- Auxílio-reclusão: mais uma conquista do PT?
- Curso para 500 costureiras inscritas no Bolsa Família
- Carta à Shell: falsa relíquia histórica
- Informe preocupante e desinformação
- Carta de Marise Valéria dos Santos ao presidente Lula da Silva
- Marta Suplicy autorizou construir hotel em Congonhas
- Sociedade dos Amigos de Plutão (SAP)
- Voto nulo anula eleição?
- Osama Bin Laden manda explodir o Cristo Redentor
- A engraxataria da Câmara dos Deputados
- Roraima: estado brasileiro, cobiça internacional
- A Internacionalização do Mundo
- Por que os EUA são odiados?
- O inexistente Al-Asuquf pretende destruir os EUA
- O PT é contra o Direito de Sucessão
- Projeto de Lei 5483/2001 altera o artigo 618 da CLT
- A internacionalização da Amazônia e o FINRAF
- Projeto de Lei legaliza a corrupção
- Imperialistas ianques querem tomar a Amazônia



Siga pulhas virtuais no Twitter

Serviço
Central Nacional de Denúncias de Crimes Cibernéticos
Netiqueta
Teclas de atalho do Mozilla

Dicas
Arquitetando
Coelhos e coelhinhos
Deixando Rastros
Guia do rock!
Refletindo


 


Antispam   Arquitetura on-line   Barcos à venda   Bandeiras dos estados brasileiros   Brasões dos estados do Brasil   Campo Formoso Gem Show   Campo Formoso, terra de esmeraldas   Carnaval de Olinda   Jóias em prata   Imagens do Brasil   Lendas e folclore da Internet, as pulhas virtuais   Minerais   Pedras preciosas   Vídeos   Sisal   Home
Todos os Direitos Reservados. Copyright Gevilacio Aguiar Coelho de Moura © 1999 - 2014. Quatrocantos.com, Quatrocantos.net.br. Reprodução permitida desde que informado o endereço (URL) desta página. As lendas, os boatos, os falsos vírus, golpes e histórias semelhantes são aqui divulgados da forma como chegam às nossas caixas de correio e não somos responsáveis pelo seu conteúdo nem tampouco por eventuais consequências da divulgação ou do seu uso indevidos. Ajude a manter a Internet livre de spam, de boatos e de golpes: envie o URL desta página para quem enviou mensagem contendo a lenda aqui mencionada.