Quatrocantos.com
Recife Rock!

Pesquisa em Quatrocantos.com


Lendas e folclore da Internet. As pulhas virtuais

Desvendando lendas, hoaxes e mitos da Internet desde 1999. Lendas urbanas, pulhas virtuais, boatos, desinformação, teorias conspiratórias, mentiras, vírus, cavalos de tróia, golpes e muitas outras coisas que vagam pela Internet.

Índice alfabético
Índice cronológico

Avise amigo/a:
67

Mais lendas

Identificação de pulhas
Lendas urbanas -1
Pulhas virtuais -1
Vírus de e-mail

Anedotas
Animais
Astros
Auto-ajuda
BBB com vírus
Cartas da Nigéria
Cavalos de tróia

Desastres
Dia Nacional
Drogas
Empresas
Falsos prêmios
Falsos vírus
Filhotes
Fotos & vídeos

Golpes
Golpe do emprego
(job scam)
Golpe do namoro
(romance scam)
Lendas & empresas
Lendas urbanas
Loterias fajutas

Marketing viral
Meias-verdades
Microondas
Nostradamus

Pequenos golpes, grandes pilantras
Política & desinformação
Pulhas virtuais
Receita Federal
Reenvio
Religiões

Saúde
Sobrenatural
Telefone celular
Teorias conspiratórias
Trojans & golpes
Verdades
Vídeos & fotos


Lenda?
Meia-verdade

Assassino do índio Pataxó Galdino Jesus dos Santos é nomeado com louvor.
Nepotismo no Tribunal de Justiça do Distrito Federal - TJDF

Galdino Jesus dos Santos

 

Essa história transformou-se em verdadeiro "samba do crioulo doido", mas apenas a primeira linha do título é lenda.

Verdade: houve um assassinato covarde e cruel.

E
m 20 de abril de 1997, Dia do Índio, alguns rapazes de boa família de Brasília assassinaram o índio Pataxó Galdino Jesus dos Santos enquanto ele dormia. ("Foi brincadeira", alegaram os assassinos.) Destaque para a covardia dos assassinos: o índio dormia quando foi queimado.

Os assassinos não teriam sido julgados nem condenados se não tivesse havido pressão da opinião pública brasileira e de organismos internacionais.

Regalias para os quatro assassinos: veja em Assassinato do índio Galdino completa 10 anos

Assim que foram encaminhados à prisão, os criminosos não ficaram 24 horas detidos em cela comum, junto com outros presos. Eles foram transferidos para uma biblioteca desativada, onde tiveram dezenas de regalias, segundo a promotora Maria José Miranda. Ela acompanhou o processo nos primeiros cinco anos, mas, por causa desconhecida, pediu afastamento do caso pouco tempo antes do julgamento.

Verdade: houve mais um dos muitos casos de nepotismo envolvendo o judiciário.

O filho do presidente do Tribunal de Justiça do Distrito Federal - TJDF fez concurso para segurança desse mesmo tribunal. Eram doze as vagas e o filho do juiz-presidente obteve o sexagésimo quinto lugar. As vagas disponíveis foram aumentadas para 70 e o filho do presidente foi nomeado para integrar os quadros de vigilância do TJDF.

Doze dias depois de nomeado segurança, o filho do juiz-presidente foi promovido e nomeado dentista, agora com o salário de R$ 6.600,00. Tudo dentro da lei.

Os fatos existiram: o assassinato, a tentativa de não punir os assassinos, o nepotismo. Os assassinos do índio Pataxó são parentes de gente do judiciário em Brasília. O dentista é filho do presidente do Tribunal de Justiça do Distrito Federal - TJDF.

Houve troca de nomes e de situações o que provocou o surgimento dessa mensagem que circula desde dezembro de 2001.

Tudo é bem explicado no jornal Novo Milênio em Minervino me enerva. Diz o Novo Milênio: a mãe do índio Galdino é Minervina de Jesus. O ex-segurança e dentista nomeado é Bruno Minervino, filho de Edmundo Minervino presidente do TJDF. Confusão de nomes e de situações: o nome da mãe do índio assassinado, Minervina, transformou-se em Minervino, sobrenome dos envolvidos em mais este caso de nepotismo.

Verdade: o doutor Bruno Minervino, segurança durante doze dias do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e atualmente dentista desse mesmo tribunal, não teve nenhum envolvimento com o assassinato do índio Galdino.

A repulsa, a indignação do cidadão e do contribuinte é o que existe em comum entre os dois casos - o assassinato e o nepotismo.

Mais sobre o assassinato de Galdino, o índio Pataxó:

12 anos da morte do INDIO PATAXÓ (A Justiça condenou a empregada doméstica Angélica Aparecida Souza, 19 anos, a quatro anos de prisão em regime semi-aberto por ter tentado roubar um pote de manteiga no dia 16 de novembro de 2005,...)

Abrindo os olhos da justiça, por Flávia Mattar

BRAZIL: TRIAL BEGINS FOR RICH BOYS WHO SET FIRE TO INDIAN

Caso Galdino - O Crime que abalou o país

Clamor e justiça

A editoria que não há, A (O crime [assassinato do índio Galdino Jesus dos Santos] foi praticado por cinco jovens de classe média-alta de Brasília, alguns na linha direta de parentesco com juízes e desembargadores.)

face do descaso e da impunidade em uma reportagem brilhante, A

Juiz suspende benefícios de assassinos do índio Galdino (14 out 2003)

Justiça para Galdino

Júri condena assassinos de Galdino a 14 anos de reclusão

LE POT DE TERRE CONTRE LE POT DE FER

MORTE DO PATAXÓ GALDINO

Programas de indio

Promotor pede suspeição de juíza

Promotora sai de cena

Território sem lei

Em 10 de novembro de 2001, os assassinos de Galdino Jesus dos Santos foram condenados a 14 anos de prisão. Os advogados deles disseram que vão recorrer da sentença. No final de 2004, os assassinos poderão ser soltos após o cumprimento de dois terços da pena.

Mais sobre os minervinos em:

Filho de desembargador passa para segurança do TJDF e é promovido a dentista (Notícia original, publicada pelo Correio Braziliense, a partir da qual surgiu a confusão de nomes.)

Em http://www.ibemol.com.br/ abo2001/0004.asp apresenta-se a composição da mesa diretora dos trabalhos de abertura do I Congresso de Odontologia Legal do Centro-Oeste.

Sítio da clínica odontológica do doutor Bruno Minervino (Um site bem interessante com alguns conselhos úteis sobre o uso de aparelhos ortodônticos.)

A mensagem termina assim:

Tomara que este e-mail chegue até o Sr. Minervino ou ao Bruno ou a algum promotor de justiça para impedir essa baixaria...

Quem quiser repassar , será um favor para o país

POR FAVOR REPASSEM A TODOS DE SUA LISTA.

Essa mensagem pode até chegar a algumas dessas pessoas - ao Bruno, aos minervinos ou ao promotor - mas nada vai mudar: nem o doutor-segurança vai voltar a ser segurança nem o nepotismo vai acabar. Nem em Brasília nem no resto do Brasil. Quer apostar?

Algumas pessoas leram esse parágrafo aí de cima e me enviaram mensagem dizendo do meu pessimismo e da falta de esperança quanto aos rumos do Brasil, pelo menos no que se refere ao tratamento de casos de nepotismo como esse. Infelizmente, o nepotismo relatado na nota do Correio Braziliense não é um fato nem isolado nem localizado. Existem muitos deles em todo o Brasil. Quando forem tomadas medidas que indiquem seriedade e isenção no sentido de acabar com coisas desse tipo, eu faço a correção no parágrafo.

Em 17 de março de 2003, a Portaria GPR N. 155 do TJDF dispensou o doutor BRUNO LIMA MINERVINO, matrícula N. 313.068, Técnico Judiciário, Área Serviços Gerais, Especialidade Segurança e Transporte, do Quadro de Pessoal deste Tribunal, em exercício na Secretaria, da Função Comissionada, FC-05, da Estrutura Administrativa e Judiciária.

Os leitores comentam.

Em junho de 2003, uma nova versão dessa história começou circular. Veja abaixo o texto dessa versão.

Gente olha o que me mandaram! sobre o assassino do índio Pataxó!

Assassino do índio Pataxó agora é funcionário federal ganha R$6.600,00 por mês

Bruno, o rapaz que matou o Índio Galdino queimado foi libertado, "passou" no concurso público e agora ganha R$ 6.600,00 por mês.

"Nomeado com louvor", este foi o título da reportagem do Correio Brasiliense do dia 22/12/02, a respeito da seguinte situação:

O filho do presidente do TJDF, Bruno (aquele marginalzinho que pôs fogo no índio pataxó), fez concurso público para o cargo de segurança (12 vagas disponíveis; salário de R$1.300,00; nível exigido 2º grau) e ficou em 65º lugar. Depois do resultado do concurso, o número de vagas aumentou para 70!

Após 12 dias no cargo, ele foi promovido a dentista do TJDF para ganhar R$6.600,00. O presidente do TJDF, o pai, juiz (?!) Edmundo Minervino, ainda teve a cara-de-pau de afirmar na entrevista: "Não houve ato ilegal nenhum".

Depois dessa vergonha toda, nós, cidadãos brasileiros, perguntamos:

1) Se Bruno é tão bom assim, por que não fez concurso para o cargo de dentista?

2) Por que aumentar o número de vagas exatamente para 70?

3) Como estão se sentindo as outras pessoas que foram melhores colocadas que Bruno no concurso? Será que, algum dia na vida, estas pessoas vão ganhar R$ 6.600,00? E os outros profissionais que já estão trabalhando há mais tempo no TJDF?

4) O que se pode esperar de um país que tem na sua justiça um federal com esse comportamento?

E mais duas perguntas que não querem calar:

1) Que julgamento foi esse, que pena foi essa que o assassino cruel de uma pessoa já cumpriu, já foi solto e até teve tempo de fazer concurso e tudo?

2) Assassinos podem fazer concurso público?

O objetivo deste e-mail é tentar alcançar o maior número de pessoas possível para mostrar como o coronelismo e paternalismo ainda existem fortemente no serviço público brasileiro.

Tomara que este e-mail chegue até a algum promotor de Justiça para impedir esse abuso...

Repasse este e-mail! Faça um favor ao nosso País.

 

Versão original.

" Nomeado com louvor"

Olhem a baixaria que é esse país...

"Nomeado com louvor"

Este foi o título da reportagem do Correio Braziliense do dia 22/12/01 a respeito da seguinte situação:

O filho do presidente do TJDF, Bruno, aquele "marginalzinho" que pôs fogo no índio pataxó) fez concurso público para o cargo de segurança (12 vagas disponíveis; salário de R$1300,00; nível exigido 2o grau) e ficou em 65o. lugar.

Depois do resultado do concurso, o número de vagas aumentou para 70!!!(Mister M)

Após 12 dias no cargo ele foi promovido a dentista do TJDF, para ganhar R$ 6600,00 (seis mil e seiscentos reais).

O presidente do TJDF (Edmundo Minervino) ainda teve a cara-de-pau de afirmar na entrevista: "Não houve ato ilegal nenhum".

Algumas questões que, nós, cidadãos, perguntamos:

- Se Bruno é tão bom assim, por que não fez concurso para o cargo de dentista?

- Por que aumentar o número de vagas exatamente para 70? Poderia Ter aumentado para 66, que o Bruno entraria...

- Como estão se sentindo as outras pessoas que foram melhor colocadas que Bruno no concurso? Será que algum dia na vida, estas pessoas vão ganhar R$6600,00? E os outros profissionais, que já estão trabalhando há mais tempo no TJDF?

- Enquanto a marca Minerva limpa as nossas roupas, o Sr. Minervino suja o nosso país com muita lama...

O objetivo deste e-mail é tentar alcançar o maior número de pessoas possível para mostrar como o coronelismo e paternalismo ainda existem fortemente no serviço público brasileiro. Tomara que este e-mail chegue até o Sr. Minervino ou ao Bruno ou a algum promotor de justiça para impedir essa baixaria...

Quem quiser repassar , será um favor para o país

POR FAVOR REPASSEM A TODOS DE SUA LISTA


Cleto
Nostradamus



Siga pulhas virtuais no Twitter

Serviço
Central Nacional de Denúncias de Crimes Cibernéticos
Netiqueta
Teclas de atalho do Mozilla

Dicas
Arquitetando
Coelhos e coelhinhos
Deixando Rastros
Guia do rock!
Refletindo


 


Antispam   Arquitetura on-line   Barcos à venda   Bandeiras dos estados brasileiros   Brasões dos estados do Brasil   Campo Formoso Gem Show   Campo Formoso, terra de esmeraldas   Carnaval de Olinda   Jóias em prata   Imagens do Brasil   Lendas e folclore da Internet, as pulhas virtuais   Minerais   Pedras preciosas   Vídeos   Sisal   Home
Todos os Direitos Reservados. Copyright Gevilacio Aguiar Coelho de Moura © 1999 - 2014. Quatrocantos.com, Quatrocantos.net.br. Reprodução permitida desde que informado o endereço (URL) desta página. As lendas, os boatos, os falsos vírus, golpes e histórias semelhantes são aqui divulgados da forma como chegam às nossas caixas de correio e não somos responsáveis pelo seu conteúdo nem tampouco por eventuais consequências da divulgação ou do seu uso indevidos. Ajude a manter a Internet livre de spam, de boatos e de golpes: envie o URL desta página para quem enviou mensagem contendo a lenda aqui mencionada.